*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



sábado, 15 de maio de 2010

SOPRO MORNO - CARÍCIA PRESSENTIDA




















Sopro morno- carícia pressentida
A flor do sentimento ornamentando
Desejo astral em dúvida iludida
Se me faltasse a mim te tributando

Certo cheiro fingido de candura
Despontasse a vestir o verdadeiro
Como clareia o sol a sombra escura
Tal gama da beleza em teu espelho

E enquanto durem chamas dos aplausos
Num beijo tropical de apaixonar
Alguma coisa é no meu ocaso
Como Astro-Rei que vai para voltar

Nenhum comentário: