*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Devíamos semeá-las!*




Devíamos semeá-las!*

enquanto pronunciadas
no centro do Sol
na beirada da Lua
palavras são flores
são estrelas puras...
nos lábios a crepitarem
fogo da vida
e mesmo em melancolia
num bailado de bela tristeza
clara luz, escura noite amada
o Amor será sempre
a semente que brotará
a paz na minha madrugada...

Karinna*

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

FELIZ NATAL




















Que este NATAL se faça de esperanças
E que todas as cores tomem a mais bela forma
Para que eu possa assim os "ver", meus amigos
Das magníficas mãos universais
Em realizado sonho de festa
A pairar sorrindo PAZ.

FELIZ NATAL

Dezembro de 2010

Miguel Eduardo-

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

jardim de poesias raras*

























jardim de poesias raras...*

Costumes da lembrança
No claríssimo apelo
Da saudade, delírio do lírio
À sombra do jardim ocasional
Vive por nosso olhar
Partido ramo

Certas palavras são belas
Melancolia é uma delas
Devíamos semeá-las!

Miguel-

Raiz*


Raiz*

a nosso favor
temos as ramagens doiradas
dos versos que trazemos
no trepidar dos cílios
e no agora que é tudo
-ou nada- que nos basta
um perto estar tão longe
como sementes que transcendem
o frêmito da flor enluarada...

ser estrela ou palavra
ser noite de brilhantes
jardim de poesias raras...

Karinna*