*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



domingo, 1 de maio de 2011

-és cristal puro e cortas-me ao luar-




-és cristal puro e cortas-me ao luar-

No grande espelho
Fino arrepio cristalizado
Visíveis esperanças
Em primeiros sinais
Todos conduzidos pelo espaço

Mundo tão simples, como o sol
Que se engasta nas montanhas
Expande flores por aí
Cavalga nas nuvens
Para saber das raízes na fundura
Do que somos, enfim

Mãos universais que tocam
Na suave flor, paixão
Que para nós se enfeita
-como sai da mente a exuberância-

Miguel-