*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



segunda-feira, 10 de maio de 2010

A POESIA VIVE NO CINTILAR DA ESTRELA

















A Poesia vive no cintilar da estrela
A perseguir-se
Brinca de dourados olhos
No decifrar-nos
Mel na ponta dos dedos

Bela rainha e única
Desenlaça o vento
Fosforece lua
Faísca em letras de luz
Simples como um brilhante

Miguel-

Um comentário:

Karinna* disse...

*Tuas leituras, de olhos astros, sobre a Poesia são fulgores nas minhas retinas.
Embevecida leio-te e , por um instante sublime, recito teus versos com os lábios, contudo permaneço recitando-os no coração.
Grata pela partilha e por tudo que tens me ensinado.
BjM-
K*