*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



terça-feira, 11 de maio de 2010

Simples como um Brilhante*


Simples como um brilhante
Feita desse amar assim urgente
Redemoinhos de ilusões sem mágoas
Nós no epicentro, deslizando na corrente
-carinhos que borbulham no verso-água-

Como não te dizer dessa comissura
Frêmito, rendição e clausura
Do deleite que traz o Sol poente
Dos tesouros que ornam nosso olhar
-doirados, prateados, amantes dolentes-

E nos chega das origens, o universo
Sabe de nós, a Poesia, doce afago
Tempo esférico, esse saber adverso
Transbordantes azuis esverdeados, verbos-lagos
-terra, água e fogo no viver em versos-

Karinna*






Um comentário:

Nadja Ramalho disse...

"...Simples como um brilhante
Transbordantes azuis esverdeados, verbos-lagos
-terra, água e fogo no viver em versos-"

Belíssima e divinamente abençoada tua inspiração resultando nesse poesia cheia de emoção.

Amei e beijo teu coração.