*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



sexta-feira, 14 de maio de 2010

De Tirar o Ar da Respiração e o Chão*


De tirar o ar da respiração e o chão
Borboletas teus beijos flutuando
No desenho dos meus lábios morangos
Rubro sinete da paixão...

Ouso teu nome na aurora quente
Busco teu fôlego na palavra ainda segredo
Seiva, vida, denunciante silêncio
Coração disposto sente...

Urge sentir teu hálito doce
Respirar-te no círculo da magia
No meu rosto tua luz esbatida
Sopro morno- carícia pressentida-

Karinna*

Nenhum comentário: