*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

eternidade de nós enamorada...*



















eternidade de nós enamorada...*


Em cada gesto se distingue
Todo um silêncio de incerteza
Mas nele entro através do tempo

E no instante vagamente
Do inquieto sono teu
Mora o riso que brota fácil
E se oferece decorativo
Em pétalas azuis

Assim, não há palavras necessárias
Porque escondidas na garganta...
Que não se falam, eis que se dispersam
Na solidão apenas inventada
Excesso de infinito, inesperadamente!


Miguel Eduardo-

Um comentário:

Karinna* disse...

*Mui lindo, sem palavras... só levo-o comigo
um poema para guardar no olhar
excesso de infinito...
BjM-
K*