*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Enraizada, indômita, numa terra de Amor*




Enraizada, indômita, numa terra de Amor*
Essa graça que argumenta
Sempre com ar de quem procura

Inexprimível sentimento
Tornado infinito sem mistério
Abisma-se num raio de beleza
Mais triste, por seu azul-profundo
Que propriamente do penetrante
De um céu limpo

É que lá o Sol
Talvez incompreendido
Chore mornamente
Pois o amor necessita embalar-se
Servir-se das merendas do silêncio
Ornar-se da eterna música

Miguel Eduardo-

Um comentário:

Karinna* disse...

*Flutuei...
Sirvo-me das merendas do silêncio, e a única música que escuto é a do infinito...
Belo, tal qual o AMOR que risca o céu da Poesia, essa que só tu sabes criar.
Admiro-te
Beijos e beijos
Ka*