*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

de ser-me em ti palavra única



















de ser-me em ti palavra única*

candelabro essencial de ouro
que ilumina o vértice do tempo
e a estrada assim aberta
ao mais central alívio
de minhas certezas
o prazer multiplica
como de certa dama o facho
em mil chamas se reparte

Miguel-

Um comentário:

Karinna* disse...

*Em todo esse universo, é aqui, entre tuas palavras, que me encontro, me alimento e sorrio para a vida.
Poeta formidável.
Beijo-te
K*