*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



segunda-feira, 26 de novembro de 2012

-sublime é a palavra que nos lembra-

 
 
-sublime é a palavra que nos lembra-
 
quando teus olhos são palavras
decoro-te nas faces
nos lábios pousados no verso
que sereno cicia
um nome...
um momento
 
quando teus beijos são palavras
recito-te na alma
como um som de aconchego
que morno anseia
um poema...
uma dor sem sofrimento
 
mas quando teu corpo é palavra
teu gesto coloca-me entre tuas linhas
e sou-te gozo e sonho
foz e alumbramento
como versos na mágica
sinuosidade dos teus dedos
-trespassa o sagrado profundo-
 
dou-te todos meus segredos
 
Karinna*

Nenhum comentário: