*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



domingo, 8 de abril de 2012

-queria-te palavra perfeita e nua-


-queria-te palavra perfeita e nua-

em belíssimo corpo
como sinto
numa paisagem diferente
a lágrima
que assim enfeita-se
para além de nós...

segredo maior
a cada voz
que a distingue
indomável
leve neblina...

certeza repetida
redimido
rumor da madrugada
como cascatas
do mundo
inesperadamente...

em cena mágica
dos momentos roubados
afora os gritos
sem fronteiras
como a luz é verdadeira...

-alegria de pressentimentos-

(MEG)

2 comentários:

Karinna* disse...

*Inspirar uma beleza dessas,
faz-me, por uns instantes,
sentir-me Poeta.
Ah Poeta Miguel, eu fico 'alumbrada' com teu versar puro e rico. Grata pela proximidade. Muito grata...
BjM-
K*

Miguel Eduardo Gonçalves disse...

Tenho certeza de que nesses momentos, quando da junção da nossa poesia, existe claramente a prova de que o mundo vale a pena, e que deixar de vivê-lo dentro dessa particularidade seria uma negação a essa maravilha que é a vida! Sei de muitos que praticam entre si, como nós, essa delicada e produtiva forma de arte em literatura, mas são poucos os que consigo distinguir a conseguirem essa identidade que há conosco, e sem ao menos termos alguma similaridade vocabular, pelo que entendo que aí resida a riqueza que expontaneamente nos enche os olhos de alegria, devo isso a ti poeta Karinna*. BjK-