*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



segunda-feira, 4 de julho de 2011

-como sai da mente a exuberância-


-como sai da mente a exuberância-



palavra-corpo, alma e sentido
o verso torna-se sonho
num ir e vir desmedido



saber-te é como ter-te
nas paragens cerebrais de sal
no gotejar dorido do imo
que te reconhece luz astral



verdejas, e sou-te como a relva
embrenho-me na tua semente
crio ninho na palavra
recebo-te no olhar clemente



exuberas, e não é de hoje
meu testemunho na pele grita
és mais que poesia
és um toque de alma, real, sem fantasia



não sou nada-sinto-me em vãos de vazios-
mesmo assim sou-te riqueza e ventania
és tempestade e alforria
a mente desvencilha-se
sobrando-me um ramo somente
sonho, flor, estrela e lua
um pomar de olhares contentes...



Karinna*

3 comentários:

Karinna* disse...

*Teu verso SEMPRE me inspira...
Parceiro querido e talentoso, és meu parceiro Miguel, Poeta que me fez ver a Poesia dentro da minha alma.
Admiro-te e prezo tua amizade como o ar que respiro.
Ka*

Miguel Eduardo Gonçalves disse...

Que me resta fazer a não ser caprichar cada vez mais? Este blog é prova de que para interagirmos, imprescindível é continuarmos sendo como sempre fomos, parceiros naquilo que a poesia representa, e diz!
Bjs.

Miguel Eduardo Gonçalves disse...

um pomar de olhares contentes...

em voragens
do saciar-se
os merecidos
Céu e Terra
prenhes
na feroz vitória
dos instantes mágicos

singularmente
universal
paixão
que assoma

Musa
indomável
nos gestos e visagens
és como porfia
e mesmo sendo infausta a vida
busco a fagueira esperança e virtude
forças conjugadas que me calam
débil abraço
que ofereço à eternidade
vida e calor...

-sonho áureo e predileto-