*Poesia Nossa de Cada Dia*

De fato há caminhos fechados
matizes perpendiculares desbragados.
Há palavras asfixiadas,
no nó da garganta esperançosa
que felizmente não se calam!
-em curvas de perplexidade-
Grande é a poesia que ilumina e interroga!

Miguel Eduardo- & Karinna*

No fim das águas, aberta a cascata o céu mede
Cúmplice náufrago dessa fome que me nutre os passos
No horizonte a poesia em sede como soluços
Na pétala desbragada do verso colho-me cada grito-
em concha de poema urgente-... que palpita!

Karinna* & Miguel Eduardo



quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

-a gostar devagarinho-

 
 
 
 
 
-a gostar devagarinho- 

diz-me
no roçar dos lábios
a cor do arrepio
diz-me
da paisagem incompleta
a vontade do abismo

canta-me
o som luminoso do fogo
a fala macia das estrelas
canta-me
a trilha dos teus olhos
o farfalho das tuas asas
versos borboletas

pernoita-me
tua sede na minha
lentamente
desfaz-me as madeixas
traz-me ao teu peito
e declama a homilia
sagrada letra do desejo

karinna*

2 comentários:

Miguel Eduardo Gonçalves disse...

Sensualmente perfeito, perfeitamente erótico!

Miguel Eduardo Gonçalves disse...

Sensualmente perfeito, perfeitamente erótico!